INFORMAÇÕES COVID-19

None

Reservas

Reserve agora

RESERVE AO MELHOR PREÇO

-
Noite
Selecionar
  • Quarto 1
Férias com a família Férias em família Wifi grátis Wifi grátis Sem taxas de gestão Sem custos de gestão Ambiente privilegiado Sítio privilegiado Melhor preço online Melhor Tarifa Garantida

O pai da perna preta

Descobriu em Huelva as pegadas do ancestral do porco ibérico, um javali de até 300 quilos que se refugiou do gelo no sudoeste da Península Ibérica com os últimos neandertais europeus, elefantes, leões e leopardos.
 
Há cerca de 106.000 anos, enquanto o resto da Europa sobrevivia soterrado por neve e geleiras, o sudoeste da Península Ibérica, com um clima mais ameno, foi o refúgio dos últimos Neandertais e da megafauna do continente, como o elefante pré-histórico. presa reta ”(Palaeoloxodon antiquus). Em uma área de dunas costeiras, já fossilizadas e localizadas nos limites do que hoje é Doñana, deixou sua marca um gigantesco exemplar de javali, que na época podia pesar até 300 quilos. Sua linhagem foi chamada a se tornar um dos tesouros gastronômicos mais importantes do mundo: aquele porco selvagem foi o ancestral da pata negra, a atual raça ibérica.
 
O estudo dos rastros fossilizados desses animais permitiu que eles fossem classificados mundialmente como novos ichnogenus e icospécies e identificassem as espécies produtoras. A sua constatação foi liderada pelos investigadores Carlos Neto, do Geopark Unesco Naturtejo Global e da Universidade de Lisboa; Fernando Muñiz, da Universidade de Sevilha; Joaquín Rodríguez Vidal e Zain Belaústegui, de Huelva e Barcelona, respetivamente; em conjunto com outros investigadores dos referidos centros, de Coimbra e do Museu Nacional de Gibraltar. O trabalho foi publicado na revista internacional especializada em paleontologia Palaios.
 
A falésia de Asperillo, situada na orla de Doñana e no enclave costeiro de Matalascañas (Almonte, Huelva), tornou-se uma mina de investigação icnológica, a ciência que estuda os vestígios e sinais deixados por organismos no passado. Em sedimentos e rochas . As tempestades do inverno passado revelaram inúmeras evidências da passagem da fauna por essas areias há mais de 100.000 anos, um livro aberto sobre a vida em uma área paradisíaca que abrigava animais enormes e aparentemente exóticos em relação aos ecossistemas atuais.
 
“Desde a primavera passada, duas campanhas de pesquisa foram realizadas e as surpresas continuam surgindo. Tínhamos identificado muitos tipos de pegadas, das quais publicamos um avanço na revista Quaternary Science Reviews , e agora estamos analisando cada uma delas em detalhes. Dentre os encontrados, identificamos vários javalis, os quais analisamos com técnicas de modelagem 3D e comparamos com outras existentes, para concluir que se trata de um novo ichnogenus e icospécies: Suidichnus galani . As suas características únicas, nunca descritas no registo fóssil, indicam que pode ser uma evidência da origem do porco ibérico ”, explica Muñiz, geólogo, icnólogo e professor da Área de Cristalografia e Mineralogia da Universidade de Sevilha.
 
A forma trapezoidal do contorno das pegadas, com longas impressões em forma de vírgula, evidencia o parentesco com a raça ibérica, embora o ancestral da atual pata negra fosse possivelmente maior, pesando mais de três vezes o do atual javali comum. Seus cascos deixaram pegadas de no máximo 125 milímetros de comprimento e 75 milímetros de largura. “O notável tamanho grande” de pelo menos um dos produtores, segundo a pesquisa, está associado a uma “adaptação ecomorfológica dos javalis à abundância de recursos e à pressão dos predadores durante o último período interglacial”.
 
Nesse sentido, uma das hipóteses que o estudo aponta, para explicar o aparente tamanho gigantesco do javali em Matalascañas, é que o período correspondente à idade das pegadas investigadas foi caracterizado por uma “grande diversidade e intensidade de predadores. ”. O javali, no período anterior à extinção em massa da megafauna, que teria ocorrido até o final do Pleistoceno, conviveu com leopardos, leões, lobos, hienas e humanos de Neandertal, dos quais era uma presa comum. A presença de lobos contemporâneos a esta espécie de javali, anterior à raça ibérica, também foi evidenciada pela descoberta de pegadas fósseis na área estudada pelos investigadores.
 
Independentemente do tamanho, que foi reduzido devido à alteração das condições ambientais, a relação com o atual porco ibérico é evidente, segundo o estudo. “O grande Sus scrofa scrofa (javali) identificado em Matalascañas corresponde às primeiras evidências conhecidas desta subespécie na Península Ibérica”, conclui a investigação.
 
Da Ásia a Huelva
 
O javali é uma das espécies com maior distribuição geográfica (presente em todos os continentes exceto na Antártica) devido à sua capacidade de adaptação às condições ambientais e aos seus hábitos alimentares gerais. Os exemplares do sudoeste peninsular partilham a mesma origem, como explica Carlos Neto De Carvalho , principal autor da investigação, geólogo, paleontólogo e cientista do Instituto Dom Luiz (Universidade de Lisboa) e do Geopark Naturtejo (Portugal): “As origens evolutivas do Sus estão no leste da Ásia há 4,2 milhões de anos, de onde experimentou uma grande expansão pelo continente asiático, Oriente Médio e Norte da África. Chegou à Europa há pelo menos 1,1 milhão de anos. A única espécie atualmente existente, Sus scrofa ou javali eurasiático, em sua infinidade de subespécies, prosperou graças a uma excelente adaptação às mudanças ambientais registradas em tão diferentes geografias e inclui a variedade domesticada pelo homem Sus scrofa domesticus , o porco ”.
 
“No auge do último período glacial, Sus scrofa scrofa está restrita às áreas mais meridionais da Europa: o sul da França e as penínsulas ibérica, italiana e balcânica. A partir daí, nos últimos 10.000 anos, recolonizará geneticamente as partes mais setentrionais da Europa, adaptando-se às diferentes condições ambientais e dando origem à variedade que hoje existe. Na península ibérica, a subespécie mais comum, scrofa , e uma menor, baeticus, ecótipo discutido pela comunidade científica que subsiste em lugares como Doñana ”, explica Neto de Carvalho.
 
Um gigante minguado
 
“As populações iniciais de Sus scrofa eram muito grandes. Algumas pegadas de javalis de Matalascañas pertencem a grandes espécimes cujas dimensões só têm comparação atual com as subespécies que vivem nos Urais ou na Sibéria. No último período interglacial, quando se formou a paleosuperfície com as pegadas de Huelva que agora estudamos, o clima era mais úmido e possibilitou uma floresta próxima a pântanos ou cursos de rios, com maior disponibilidade de alimento para javalis. No entanto, no último período glacial máximo, entre 30.000 e 18.000 anos atrás, quando a megafauna do Pleistoceno foi extinta pelos rigores climáticos e pela caça de hominídeos, os javalis respondem com uma redução na circunferência e prosperam em oásis climáticos. Do sul da Europa, adaptando-se a uma perda acentuada de recursos, com a substituição de áreas florestais por estepes e campos ”, explica a pesquisadora.
 
Desta adaptação surgem os atuais javalis da Península Ibérica, cujo peso varia entre 75 e 85 quilos para os machos. Em Doñana , os exemplares de Sus scrofa baeticus têm cerca de 54 kg porque naquela área, segundo Neto, vivem nos matagais e pinhais do sul do parque nacional, onde a quantidade e diversidade de alimentos disponíveis é menor. “Porém, atualmente, a corpulência do javali tende a aumentar em regiões com menor densidade populacional e pressão de caça”, acrescenta.
 
De javali a porco
 
O investigador português lembra que a domesticação ocorreu nos últimos 10.000 anos, “quando as comunidades humanas dispersaram os suínos por toda a Europa e Ásia como uma fonte alimentar muito importante para as comunidades sedentárias, que experimentam um crescimento populacional”.
 
“Deste modo, podemos dizer que as origens do porco e do famoso e delicioso presunto ibérico estão nos javalis que deixaram as suas pegadas em Matalascañas , semelhantes a outros vestígios fósseis do início do Pleistoceno Superior encontrados na Península Ibérica e que estão na base da linhagem evolutiva dos porcos atuais ”, conclui Neto de Carvalho, que alerta para a importância do conhecimento dos“ impactos bióticos originados durante as últimas grandes mudanças climáticas e que ainda nos afetam ”.
 
O descobridor da pegada
 
A icnologia tem regras particulares e os vestígios ou marcas deixados pela fauna têm nome próprio, enraizado no sistema clássico de classificação biológica de Lineu (1735). Desta forma, o trilho encontrado em Matalascañas foi batizado como ichnospécies de Suidichnus galani. Este sobrenome é o reconhecimento de José María Galán , guia do Parque Nacional de Doñana que trabalha no Plano Nacional de Combate ao Tráfico Ilegal e Caça Furiosa Internacional (Tifies). Este rastreador dos vestígios da história foi o primeiro a alertar para a singularidade do vestígio encontrado nas areias de Huelva.
 
Ana Mateo e Dolores Cobo , biólogas e trabalhadoras do parque de Doñana , me enviaram uma foto no WhatsApp. Tudo começou aí ”, lembra Galán. As características especiais da pegada não passaram despercebidas por este experiente buscador de trilhas, que entende sua arte como um meio para fazer parte da natureza. “Sou como sondas espaciais enviando fotos e dados do que encontro”, brinca.
 
A informação dos vestígios foi partilhada com Fernando Muñiz, que imediatamente iniciou o estudo icnológico com Carlos de Neto de Carvalho e o resto da equipa.
 
Galán , também autor das representações do animal que deixou a sua marca em Huelva , explica que a mudança na dinâmica da linha de costa revelou a frágil área de dunas fósseis onde ficou a assinatura da fauna pré-histórica. “A área de estudo, que começou com cerca de 40 metros quadrados, se multiplicou, o que mostra que temos que redescobrir nosso patrimônio a cada dia e com urgência”, afirma. A ação do vento, da chuva, dos visitantes da área e do mar colocam em risco a durabilidade dos vestígios encontrados nos materiais da área paleontológica.
 
“As pegadas trazem muitas informações sobre o animal, seu tamanho, seu comportamento. É atávico. As crianças fazem isso naturalmente. É intrínseco ao homem vincular a marca ao animal que a gerou. Requer imaginação e isso só é próprio do homem. Um cachorro, se a trilha não tem cheiro, passa pela pista sem perceber. O homem, que tem um ângulo de visão que facilita o rastreamento, consegue reconstruir o animal que deixou a marca ou marca e o que ele estava fazendo naquele momento ”, explica.
 
O seu talento de rastreador e artístico foram fundamentais nesta investigação, cujo trabalho foi reconhecido com a dedicação do nome das ichnospécies.
 
 

Comentários

Reservas

Reserve agora

MELHOR PREÇO ON-LINE

Número de noites: X